Por um triz…

Inspiração é uma canção que nasce

dentro do coração abandonado à própria sorte

do cantador de estrada que come as unhas

pra não morder a própria alma;

que entre vírgulas descansa

de uma vida sem sonhos à beira do abismo

e não se joga porque crê ainda nas asas do amor

nem que seja advindo, sutil e frio de línguas

nas bocas das meretrizes que em musas

se transformam nas tabernas do homem mau

e encantam a caneta do poeta suicida

que mergulha em belos seios de resina

e cheiros artifícios de flores e ópio.

O cantador trepa a ilusão e vai embora

ainda pensando no precipício  ao longe

porque não encontra a alma que lhe aqueceria

as noites sem luz e fogo.

Sua boca é amarga e seca

e seus passos vacilantes e ébrios.

As mãos tremem e como se dizia em estrofes

um cantador não pode ser homem comum

pois que ele canta à bela envaidecida

que da janela sorri em escárnio

e a noite apodrecida faz pouco do poeta

que é pobre e não sabe mesmo amar

como amaram os deuses ricos.

E, de novo cambaleante

naquele morro sem vento uivante

ele só escuta o barulho do coração

dizendo:  – Joga-te, homem sem destino!

Mergulha, poeta sem sorte!

E o cantador ouve com atenção

a voz de seu traidor amigo sem lei!

E assim  o poeta olha sua caneta pela última vez

e, sabendo que não haverá mesmo musas

a lhe enfeitar a inspiração em sua caminhada

joga-se precipitado sem dar tempo de ouvir ao longe

a voz da prostituta que com seu alforge

decidira seguir o seu poeta amado!

Anúncios

Sua opinião me interessa ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s