Simples e complicado

Esta noite eu tive um sonho, ou melhor, esta noite eu tive uma noite. E dentro desta noite, senti meu corpo suavemente satisfeito pelas mãos de um cavalheiro que me dizia gentilmente que iria embora para nunca mais voltar.

Eu quase que chorava, mas ao mesmo tempo regozijava a alma em saber que era apenas um sonho. Neste caso eu não haveria de sofrer. Eu acordaria, afinal.

Mas a noite não acabava e se transformava em dias longos, sem sol, sem luz alguma a iluminar-me o espírito desertor, as pernas trêmulas e os lábios selados para sempre sem sorrir. Então, resolvi caminhar pela minha noite. Era insônia ou eu mesma que simulava talvez minha vontade de ser feliz ao lado de quem um dia me quis?

Invadi meu próprio sonho por fim e resolvi eu mesma controlá-lo em desespero enquanto sentia que meu corpo suava e minha testa sangrava em forma de gotas gélidas de um suor que só quem sofre uma desilusão sabe o que é.

Caminhei em direção ao nada onde talvez encontrasse explicação para a ida de meu segundo sol, meu pôr de lágrimas, meus melhores prazeres e, ai!, eu precisava continuar sonhando! Não iria acordar. Não nesta noite de adeus.

Já nesta altura, eu controlava cada segundo daquele sonho. Olhei para os lados e sorri esnobe e soberba. Eu era finalmente dona de mim, eu podia comandar meu sonho! Eu seria feliz… Lá no meu sonho… Lá, onde minha generosa alma esperava pacientemente que eu acordasse para uma terça-feira igual e quente de verão em Jacarepaguá.

Porém eu precisava aproveitar aqueles momentos e escolher um bom final feliz, um final de caso de amor onde eu não ficasse deitada por dias na cama, chorando como bezerro que perde sua teta. E enfurecida, continuei aquele sonho. Forçando barra eu decidi viver para sempre ali.

Mas, mesmo lá, no meio de meus devaneios entre lençóis e edredons, eu sentia que estava, ou sonhando acordada ou dormia com febre e algum delírio de esperança a queimar meu coração.

Mas, valente que sou, desisti de sonhar e abri meus olhos escuros. A primeira coisa que vi foi a realidade dormindo ao meu lado com uma expressão de escárnio no rosto sereno de quem vai embora, não se importando se quem fica sobrevive ou morre.

Tudo bem. Ao menos descobri que todo sonho tem um fim.
Mas todo fim pode ter um recomeço.
Afinal, sonhar não custa nada.

Anúncios

Sobre Day

As pessoas que consideram que a coisa mais importante da vida é o conhecimento lembram-me a borboleta que voa para a chama da vela, e, ao fazê-lo, queima-se e extingue a luz. (Tolstoi)
Esse post foi publicado em Poetizando. Bookmark o link permanente.

Sua opinião me interessa ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s