Dois


Um é aquele que já estava lá quando ela chegou
O outro mandou buscar
Para brincar de roda e pique-esconde.

O primeiro conhece a sua alma encardida
Mofa com ela nos escombros dos destinos
Enquanto o segundo cheira a talco e brinca de médico
Quando acaba o filme cult que ela decupou…

O mais antigo dorme com seu espírito
Conhece seus sonhos e guia seus pensamentos
O mais recente nem entende o que ela fala
E quase não a deixa dormir.

O que faz companhia ao chá escuta
Os lamentos loucos da alma vadia
Cuida das feridas e enxuga seus cabelos

O que faz aventura a acompanha no bar
Não ouve o que fala e nem ri do seu roteiro
Disfarça as suas cicratizes
Com lambidas caninamente suaves…

O primeiro chegou na frente e se instalou
Como cupim em sua alma de madeira
Hospedeiro atento, a vigia noite e dia

Enquanto o outro é hospedeiro e invasor
Manipula a alma erótica da doidivanas
E arqueia as sombrancelhas quanto ela grita
_ Eu amo os dois!

Anúncios

Sua opinião me interessa ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s