Adagas

Mais um crime aqui no Rio de Janeiro. Aqui perto de casa. Aqui no mundo.

Ele nem queria deixar transparecer que era um homem sem infância,
E sorrateiramente entrou no mundo de Eliza, esta menina sem muita sabedoria
Que o permitiu vasculhar suas pernas, seu guarda-roupas e seu diário.
Mas ele não sabia o que fazer com esta flor tão jovem em seus braços
E desabou seu corpo sobre o dela com adagas pontiagudas e frias palavras,
Lâminas sangrando o coração de Eliza, Elizabete, Bete nas mãos da besta.

Olha lá em cima, Eliza, as nuvens te levarão a um mundo outro…
Agora teu corpo flutua e teu espírito descansa daquele homem vilão.
No chão de tua casa a perícia recolhe as provas do teu desamor.
Calma, Elizabete, ele pagará pelo que fez… Como? Não sei bem.
Mas acho que tem a ver com inferno, um monstro morderá sua consciência
Sempre que lembrar que lavou com sangue o amor de Eliza…
Esta menina que deixou seu diário e suas roupas como herança perdida.

Pobre Eliza, pobre homem sem razão. Seu coração é um canhão,
Mãos de um beija-flor assassino que escreve letras de música
Mas quem cantará no enterro de Elizabete?
Rouxinós favelados, bandidos armados zunindo o estilhaçar covarde?
Descanse Elizabete. O pior já passou. A agonia finda junto aos teus.
Sei que sentiu as dores do amor marginal e do ódio de um drogado…

Mas daqui eu ouço um tilintar que vem de longe,
Serão anjos a te buscar, minha Bete querida, serafins afim de te levar
À Terra do Nunca, ou nunca mais verás o sol da tua praia e fim?
Calma menina. Descanse enquanto nós iamginamos teu algóz enforcado
Na cela de uma cadeia.

Anúncios

Sobre Day

As pessoas que consideram que a coisa mais importante da vida é o conhecimento lembram-me a borboleta que voa para a chama da vela, e, ao fazê-lo, queima-se e extingue a luz. (Tolstoi)
Esse post foi publicado em Poetizando. Bookmark o link permanente.

2 respostas para Adagas

  1. Autora Daisy disse:

    Opa! Vou lá, amigão.Mais uma vez, obrigada pela visita sempre gratificante :)Beijo

  2. Djabal disse:

    Luz da chuvaO dia todo as estrelas observam de muito tempo atrásminha mãe disse já estou indoquando você estiver sozinho ficará bemsabendo ou não você saberáolhe para a casa velha sob a chuva na alvoradatodas as flores são formas de águao sol as recorda através de uma nuvem brancatoca os retalhos espalhados na montanhaas cores lavadas da pós-vidaque viviam ali muito antes de você nascerveja como despertam sem fazer perguntasmesmo que o mundo inteiro esteja em chamasW.S. Merwin na tradução (work in progress) inicial da Adriana Lisboa, que aliás, recomendo muito. Vocês conversam bastante. Achei essa conexão. (aqui: http://caquiscaidos.blogspot.com/)Bjs.

Sua opinião me interessa ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s