Story Line

WEST SIDE STORY – AMOR, SUBLIME AMOR

Quando pensamos em uma idéia para um programa, e este é o primeiro passo, convivemos com essa febre por tempo indeterminado. Dependendo do projeto pode levar semanas, meses.
Idéias são proliferantes nas cabeças dos roteiristas. Eles dormem e acordam tendo as mais loucas & diversas idéias ‘geniais’.
Garcia Márquez ensina, e muito bem algo que a princípio pode parecer desencorajador para o roteirista. A’derrubada de idéias’. E o papa do roteiro cinematográfico Syd Field ensina como ninguém a desenvolver uma estória a partir da Story Line em um livro perfeito e completo.
Num grupo de criação pode-se chegar com uma idéia perfeita para um projeto. Uma estória que poderá se transformar no filme de sua vida ou no programa de TV que mudará a televisão, o sistema de entretenimento. Mas alguém do grupo simplesmente ‘derruba’ a sua idéia. Lá se vai seu melhor projeto.
O que estou tentando dizer é que fazer roteiros não é tão simples como possa parecer a princípio. Há quem pense que fazer gravar imagens e sonorizar é o que caracteriza ‘Cinema’. Mas o audiovisual é um mundo complexo de idéias e filosofias.
Mergulha-se em Foucault no cinema contemporâneo, Sócrates… Um sem fim de pensadores para fazer, às vezes um simples curta-metragem.
O maior desafio do roteirista talvez seja exprimir sua idéia em apenas cinco linhas. É o que chamamos de story line..
Um exemplo de Story Line. Exemplo do filme West Side Story, ou Amor, sublime amor. O musical de 61 dirigido por Jerome Robbins e Robert Wise que alavancou 11 Oscars.
Mas antes da sinopse, poderíamos resumir a estória assim:

“Musical que retrata temas sociais como racismo, xenofobia e a carência de jovens pobres que não têm opção de vida na cidade de Nova York.
Baseado no clássico Romeu e Julieta de Shakespeare, o filme conta a estória de dois jovens que se apaixonam e por serem de gangs inimigas, desemboca em trágico desfecho quando a violência denuncia o abandono desses jovens perdidos.”

Apesar da formatação, esta é uma story line de exatas cinco linhas.
É assim, simples e direto. Por isso é melhor apresentar a story line para que sua idéia não seja derrubada depois de um calhamaço de sinopse.

Anúncios

2 comentários em “Story Line

  1. Ol� L�o :)Apare�a sempre. Vou dando uns ‘bizus’ por aqui. Fazer roteiro � interessante sim. N�o � considerado literatura mas todo roteirista � amante da literatura, l� e escreve muito. Vai vendo…Beijo.

  2. oi Dai. Primeiro olá.Eu não sabia que era tão bacana e complicado fazer um roteiro. Eu adoro essas formas de escrita, como direi, fechadas,. Eu adoro esse artesanato técnico, que em vez de tolher a capacidade do roterista, só faz melhorar, até em textos que não precisam ser rigorosamente marcados. É claro que isto é só um achismo. heheabs

Sua opinião me interessa ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s