Acidente pessoal

Eles estavam no bar desde as dez horas da manhã. Já passava das três. Entre cervejas e cachacinhas entremeadas com carne seca e jilós, os dois amigos iam discutindo eufóricos em maiêuticas alcoólicas.

O mais velho, já com trinta, só tinha uma perna – acidente de moto -, e o mais jovem, vinte e quatro, era adepto da maconha e da vagabundagem contemplativa.

Pernalta solta um contido arroto:

_ Caminhar tem a ver com o espírito. Não existe correr. O tombo pode machucar.

Brilho responde, olhando a vida através da bunda da garçonete:

_ Tu fala isso porque perdeu a perna, morô parceiro?

O outro ri com a boca enfarofada:

_ Por que todo maconheiro fala sem pensar, meu irmão? To falando sério, porra. É filosofia, caralho. Não lê, dá nisso…

Brilho arregala os olhos preguiçosos e se ofende:

_ Quem não gosta de ser discriminado não deve discriminar. Isso é filosofia, otário.

Pernalta:

_ Eu ter perdido a perna não faz de mim um crminoso, certo? Mas, na moral, encher a cabeça de fumaça e ficar de bobeira enchendo a cara é foda. E ainda por cima eu pagando! Com meu dinheiro suado…

Brilho:

_ Ha, ha, ha! Como, dinheiro suado? Essa grana não é do governo? Não foi por causa do acidente, parceirinho?

Pernalta se remexe na cadeira. Toma mais um copo da cerveja e responde magoado:

_ Quer dizer que perder minha perna não custou nada, né vacilão? Eu me joguei da moto só pra abocanhar o seguro? E não é do governo porra nenhuma! É particular. Do Bradesco.

O outro, aplicando colírio nos olhos ri mais ainda:

_ Já reparou que depois que você recebeu essa porra de seguro, passou a se sentir cliente vip do banco? É Bradesco no céu e Deus na terra!

_ Hei! Não seria o contrário? Deus no céu…

É interrompido:

_ Meu irmão, foda-se! Só sei que acho estranho você andar (he, he), foi mal, você ficar se sentindo porque pegou uma grana boa de seguro. Pô, tu tá aleijado, cara!

Pernalta abre a carteira e chama a garçonete:

_ To sabendo que hoje é teu aniversário. Toma aqui esse troco. Compra um presente pra você! – olha para o amigo – Essa bunda é minha, he, he.

Brilho, chateado:

_ Ainda acho que não vale a pena se foder todo pra ter dinheiro. Esse dinheiro aí tem sangue!

O amigo acidentado faz que vai levantar mas desiste irritado:

_ Agora tu exagerou, meu irmão! Vais rachar a conta?!

_ Só se eu arrancar o dedo. Como os caras da yakuza.

_ É uma piada, chincheiro?

_ Não. Uma constatação. To duro.

_ Valeu… Eu pago.

_ Desculpa aí.

_ Tranqüilo, parceiro.

_ Me faz um vale? Minha erva acabou…

Silêncio. Ambos meditam a respeito de dinheiro, estética, morte e mulheres.

Em uníssono:

_ Desce a saideira!

Anúncios

Sobre Day

As pessoas que consideram que a coisa mais importante da vida é o conhecimento lembram-me a borboleta que voa para a chama da vela, e, ao fazê-lo, queima-se e extingue a luz. (Tolstoi)
Esse post foi publicado em faz-me rir.... Bookmark o link permanente.

6 respostas para Acidente pessoal

  1. Dai :) disse:

    Talvez não haja nada de diferente. Qualquer coisa que nos machuque, é pessoal. Neste caso, o impessoal ficaria por conta dos administradores de seguros. De qualquer forma, é pessoal.
    Gostei da pergunta. O que você acha, Cristina?

  2. cristina disse:

    Qual a diferença de acidente pessoal de impessoal?????

  3. Dai :) disse:

    É mesmo incompleto, uma brincadeira com Sócrates que não acreditava em finalização de idéias… fique tranqüilo Cesar, nada tem de genial, é só um diálogo hehe…
    Valeu pela visita,
    Beijo 🙂

  4. Cochise César disse:

    Tenho a impressão que alguma coisa genial me escapou nesse texto.,
    Vou ter que reler mais tarde.
    no mais gostei, apesar dessa sensação de incompleto…

  5. Dai :) disse:

    preciso conhecê-lo 😦
    beijo lindo 🙂

  6. Djabal disse:

    “Nossas lembranças, pensamentos e sentimentos, com certeza, sempre têm o seu repouso em outros mundos, e pouco dependem de nós, aqui. Porque, não importa como eles sejam, os pensamentos de duas pessoas diferentes são, com certeza, muito mais semelhantes do que uma pessoa e seus próprios pensamentos….” Milorad Pávitch, um sérvio genial, alegre, imensamente lido e caudalosamente escrito. Pena que pouco conhecido pelas nossas bandas pernetas daqui, bem ao lado desse boteco maiêutico. Bjs; minha linda.

Sua opinião me interessa ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s