Gosto na boca

Segurei sua mão, a levei ao lugar mais quente e úmido de vontade. Esqueci meus lábios nos lábios dele, e pensei comigo em como a vida era simples de viver.

Andei até a estante, abri um Neruda, deixando virem a mim imagens daquele carteiro do filme.

 Como cartas eram belas, levavam e traziam juras, promessas e cálidos momentos em meia luz.

 Abri agora os ouvidos para a música que saía como suspiro de sua boca contornada com pelos perfumados de eucalípto.

 Nosso hálito tinha o gosto de uma França antiga, champanhe e poesia.

Na cama, lençóis cansados retinham o aroma promíscuo almiscarado da liberdade.

Olhei mais uma vez em direção a porta…

 Lamentando por minha insana insistência de mantê-lo vivo em minha carne, voltei a deitar-me…

Assim continuei de onde havia parado.

 E como eu estava só!…

Anúncios

2 comentários em “Gosto na boca

Sua opinião me interessa ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s