Semeadura

É como sentar sobre a pedra do esquecimento, pousar a cabeça nas mãos, e dormir no tempo. As folhas caem, e caem mesmo misérrimas no campo das margaridas.

Qualquer identidade desfaz a real vontade de ser mais que um ser. De poder voar. Mas as asas se quebram, e somente Ícaro poderia falar mais sobre o ar. Eu, assim como um vaso remendado, um milharal que não vingou, ouço o rulhar de aves ao redor do campo. E lá, nada poderei colher. Sou desta forma, como o espantalho a assustar meu próprio amor.

Não poderia nem mesmo ir ao fundo do poço… vai que não encontro água? Se minha saliva seca, quem mais eu poderei beijar?

São momentos, estes quase nenhum, onde a mulher se sente amada, de um jeito quase mágico. Mas se é magia, tudo pode mudar à meia noite.

 Mesmo sendo meio dia.

Anúncios

Sobre Day

As pessoas que consideram que a coisa mais importante da vida é o conhecimento lembram-me a borboleta que voa para a chama da vela, e, ao fazê-lo, queima-se e extingue a luz. (Tolstoi)
Esse post foi publicado em Miscelânea. Bookmark o link permanente.

12 respostas para Semeadura

  1. Oi poeta Gaspar! Olá amigos! 🙂
    Difícil está sentar-me diante de um computador. E difícil é ficar sem meu alimento, ou seja, este nosso maravilhoso mundo literário/louco/virtual.
    Dom Gaspar,
    Tua poesia me vestiu como um vestido caro na vitrine da loja menos acessível. Ainda bem que entre o capitalismo e o sonho, posso ir ao vestuário ficar coberta de… amor!
    Amigos, valeu!
    Volto já. O tempo é relativo.
    Beijos e beijos a todos!
    Beijos! 🙂

  2. Dom Gaspar I disse:

    Olá!
    Espero que esteja curtindo todos os momentos… é importante!

    Pra voce, teci algumas palavras:

    ………

    Labirintos Modos

    I
    Amanhã eu te juro
    num momento oportuno
    deste corpo que é teu…

    vem amor clandestino
    qua a ti eu ensino
    como deve-se amar!

    Quero todas as luas
    enfeitar nossas ruas
    enfeitar o querer…

    viciei nos teus beijos
    a loucura, os desejos,
    quero me entregar!

    Meu refúgio é na cama.
    Pra dizer quem te ama,
    corpo nu em teus braços!

    Me perdi na conduta,
    tua boca disputa,
    à mulher que te quer!

    Mergulhei no teu sexo,
    nos tornamos anexo,
    numa insana paixão!

    II
    Amanhã eu te juro
    te cobrar sem um juro
    numa ânsia em te amar…

    com suor eu te cubro
    nas paredes eu subo
    por que é assim que me sinto…

    penetrastes bem fundo
    possuistes meu mundo
    em teu mel me perdi…

    o meu corpo em teus braços,
    já não sinto cansaços,
    eu agora sou tua!

    Me entreguei plenamente,
    tuas unhas e dentes,
    uma eterna mulher….

    eu preciso de amor
    vem tirar essas dor,
    vem titar solidão!

    Guardo as roupas de banho,
    pra não ter mais engano,
    em sentir teu perfume…

    me estranhei com estranhos,
    é a ti que mais amo…
    vê se voltas pra mim…

    …………….

    Felicidades!
    Sei que voce estará trazendo muitas pérolas, que foram encontradas durante sua jornada de areias, água de coco, sol, bloqueadores e bate-papo!

    Inté!

  3. Fátima disse:

    Isso me lembra Ariano Suassuna e o Auto da Compadecida: a mulher do padeiro trai o marido à torto e à direito. Na hora da morte, justifica: tenho tanto medo de perder vc, que te traio, assim perco ‘aos pouquinhos’.

    Acho que é por este motivo que muitas vezes agimos de modo a ‘espantar’ nossos amores: preferimos perdê-los aos poucos, assim a dor avassaladora que viria, é diluída em doses quase homeopáticas.

    Beijão, Dai.
    Saudades de ti, espero que tenha tido boas férias.
    😀

  4. Maldito disse:

    O Eterno Retorno.

    Bjos Dai.

  5. Mas se é magia, tudo pode mudar à meia noite.

    Mesmo sendo meio dia.

    E ainda bem que é assim, não é verdade? Senão a vida seria muito monótona…

    Gostei muito, parabéns!

  6. saudade de você, Dai. o blog tá fodão!

    ooou, pega meu msn: marioxarope@hotmail.com

    beijão,

    Mário

  7. JLM disse:

    olá

    percebi nos últimos post uma mudança sutil rumo à temática rural, familiar, costumeira. é só um comentário pra dizer q o meio afeta o ser, bem como oq ele pensa e escreve. e não só o meio, mas o estado de espírito, oq vc tb deixa transparecer.

    parabéns, daqui a algumas eras alguém q analisar os teus textos vai concluir q vc tirou umas ótimas férias, 😉

    1 abraço.

  8. Marcela disse:

    DAISY CARVALHO! BOM MUITO BOM!

  9. Se é assim, o jeito é viver o amor de modo infinito em apenas um instante, sem medo de tudo não passar de magia passageira feita por um mágico ruim.
    Sua mão está afiada nos últimos textos. Deu gosto de ler.
    Beijos

  10. Aline Lima disse:

    Como sempre me identifico demais com seus versos! Perfeito! Bjus

  11. Daisy disse:

    Também estou com saudades Erwin. Nos falaremos em breve.
    Beijo!!! 🙂

  12. Djabal disse:

    Aproveite seu momento. Ele é infinito. Esqueça o inolvidável passado, não se preocupe com o futuro. O poço não tem fim, a saliva do seu imenso beijo jamais terminará, e o seu amor cuidará de você eternamente durante esse momento único. Beijos & Saudade.

Sua opinião me interessa ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s