Arquivo do mês: novembro 2008

Silêncio

Lá fora, as árvores escondem tantos segredos. Em cada segredo uma sabedoria. Sejam de andorinhas, ou qualquer ser vivo. Somos tolos e não sabemos ouvir. E, ainda assim, eu ouço o silêncio da árvore. É fácil. Aperte o play lá dentro e espere os pássaros. … Continuar lendo

Publicado em Poetizando | Marcado com | 6 Comentários

Anjos que dizem olá!

Há muito tempo eu não o via. Com o corre-corre da vida, muitas vezes deixava de visitar os meus. E isso deveras me entristecia. Eu me aquietava em um canto e chorava. Porém, não deveria ficar neste estado de espírito. A … Continuar lendo

Publicado em Contos | Marcado com | 6 Comentários

Quebrando regras

O Jefferson Maleski lançou um tema – oficialmente – no Duelo de Escritores, de onde saiu vencedor com o conto Bodas de papel, numa rodada especial. O tema é… “Que técnicas você usa para escrever, desenvolva de forma original”. Poderia fazer deste, o … Continuar lendo

Publicado em Crônicas | 6 Comentários

Mudaram as estações

  É bom quando alguma coisa acontece. Acreditar no pra sempre. Mesmo que acabe, ainda que seja eterno só enquanto dure.  Se estás longe, volte pra casa. Não há motivos para lamentações. Sinta saudades. Só pra voltar pra casa. Cante … Continuar lendo

Publicado em Poetizando | Marcado com | 10 Comentários

Chronus

Passa o tempo, ardido como pimenta, quente como o inferno, e estranho como deficientes físicos que se mostram normais. Passa o tempo, brincando de roda com a rosa dos ventos. O tempo safado, bélico e irônico, tal tempo que separa a … Continuar lendo

Publicado em Poetizando | 10 Comentários

Tempo, um ano só

Acabara o mundo, afinal. Tudo, tudo; tudo aconteceu, como previsto e profetizado outrora. Aqui e no céu, fogos queimaram a todos. Uns em comemoração. Outros, queimando almas, dizimando pessoas sem dízimos. E queimavam também os cães de todas as raças. … Continuar lendo

Publicado em Contos | Marcado com , | 11 Comentários

leitores.com

Nem tudo era o que parecia ser, e nada possuía vozes, como também o vazio a cercava, cerceava em infrutíferas vezes de coito vão. Redundante, sua vida acabava em cada manhã para depois recomeçar insosa. O sol e a chuva … Continuar lendo

Publicado em Crônicas | 8 Comentários

O barqueiro de Paraty – Odir Cunha

  Um brinde aos leitores, este livro de Odir Cunha. Uma viagem no tempo de Epicteto, em plena atualidade, evocando imagens da maravilhosa e histórica cidade de Paraty. Epicteto, o filósofo. A Mundo Editorial , é uma editora de raro … Continuar lendo

Publicado em livros | Marcado com , | 12 Comentários