Deus! Acabou o Pesadelo!


Ideias Medievais

Na boa, e sinceramente, muito me custou acompanhar a rodada do bloguito literário Duelo de Escritores, tarefa realmente estafante, inglória e entediante, haja vista que minhas previsões se cumpriram. Nenhum texto brilhante, nada de novo. E muita falta de imaginação, culminando com o sofrível “mini-conto” do “moderador” Jefferson Luiz Maleski. Ao menos ele tentou justificar sua deficiência:

eu tinha outro texto em mente, mas como estou em viagem ñ consegui separar o tempo necessário p trabalhar nele. assim, fica oq consegui produzir, hehhe. espero q tenha ficado legalz.

Entretanto, como o escritor é mesmo criativo, eis que conseguiu produzir atmosfera de terror, de pesadelo, já que no referido conto intitulado Quando eu crescer quero ser igual ao meu pai, o autor narra o sufoco de alguém menos favorecido que trabalha para comer, alguém pobre e escravizado pelo Sistema, sem o menor respeito pelo personagem, ou pela sinopse de sua vida. E não sei se a ideia chega a ser um pesadelo, uma vez que o país já se acostumou com esse Status quo. Enfim. Cumprida minha missão, e como fui cobrada para ir até o fim, aí está a crítica do último texto da rodada.

Como amante da arte, espero que os duelistas, visivelmente fatigados, tenham mais capricho nas próximas propostas, para que eu, também cansada deste famigerado duelo, possa seguir em frente. Por favor, não me provoquem mais com textos tão desprovidos de alma.

Que Elaine Rocha, Natália Oliveira, Vogan Carruna, e Jefferson Maleski, tenham mais amor à arte, à literatura. E que não envergonhem a classe de escritores da internet em troca de comentários em seus textos. Às vezes o silêncio faz crescer o artista. Feedbacks muito desejados conotam insegurança e falta de amor à arte que não pode ser tão egoísta.

Contudo, não baixem a guarda. Se aparecerem motivos na próxima rodada, estarei aqui, de olho, não em vocês, mas na arte de escrever literatura genuína, aquela que nasce de uma ideia apaixonada, e não com a imposição de um tema proposto.

Boa sorte a todos os duelistas!

Inté!

Anúncios

Sobre Day

As pessoas que consideram que a coisa mais importante da vida é o conhecimento lembram-me a borboleta que voa para a chama da vela, e, ao fazê-lo, queima-se e extingue a luz. (Tolstoi)
Esse post foi publicado em alô!, Arte e etc., autores, Crítica, Literatura. Bookmark o link permanente.

Sua opinião me interessa ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s