Dia da poesia

                                  “TUDO É POESIA, O RESTO É SONO”

lendo

Dia hoje da poesia,

como pode ser

se todo tempo a ilusão poetiza nossa vida?

Como dia da poesia se as coisas são as mesmas.?

Gente sem amor, mulher sem aquele “cobertor”;

homens bebendo na calçada,

putas cheirosas levando sua vida

e a de tantos…

Dia da poesia?

Afinal

Quando foi que acabou a poesia?

 

Pérolas de Luiz Guilherme Volpato

 

Marcas

triste2

Às vezes fazemos o que não queremos
Obrigados a viver, escolhas que não fizemos
Ou escolher viver o que escolheram para nós
Não quero lhe pedir mais nada
Cansei de me esforçar para ser visto
A dor de não ser encarado
Corta o coração, como a forma mais cruel de abandono
Eu escolhi amar você
E tenho culpa de deixar o mundo todo de lado
Eu me obriguei a te amar
E me inocentei da culpa de lhe deixar
Não sei por quanto tempo deixei de te olhar
Mas agora cada instante, simplesmente não se vai.
As coisas que ficam, as vezes mudam
Mudam de sentido
Mudam de opinião
Talvez por obrigação.
Será que obrigamos a vida a flexionar-se a nossa vontade?
Não obrigaria você a voltar para mim
Mas obrigaria o mundo a fazê-la feliz
Você não me obriga a nada…
Mas também não me dá escolhas

 

Meu libertar

gotica

Teu silêncio
Tão calado, voraz…
Como se devorasse todos os sons ao redor.
Uma exclamação muda, incapaz de se passar despercebida.
Os significados que me dizem respeito e não lhe serão atribuídos.
Finalmente virar a esquerda ao invés da direita.
Se deixar levar pela descoberta de um novo universo.
Nova vida, novos sentimentos.
Se surpreender com uma mudança em suas intensões e limites.
Violento então, teu silêncio desagregador.
Com meu grito de alívio,
Retomando a marcha, conduzindo a uma viagem a um novo velho mundo.
Para o qual rumo, cantarolando a felicidade de ser livre.

 

Esse poeta lida muito bem com o amor, afinal o amor não mente e não é egoísta. Você sempre bem vindo, Luiz Guilherme.

Beijo!