Rimando ao Acaso

Mãe, mãezinha...

O sorriso de Marcela, a bela.
A. janela por onde posso olhar o mundo
E ter um pouco de esperança nela.
Marcela, a vela.
A vela acesa quando fico triste.
Marcela, Cela, o milagre que me aconteceu.
Marcela, de sentinela à porta de meu quarto.
Tá, chorando, mãe?
Nada, é só resfriado.
Marcela que não trela,
Mas é bela.
Garota que por mim zela,
A seu modo, mas é o jeito Marcela de ser.
Ela, tão sem tutela,
Marcela, que noite aquela…
Marcela, procela que veio a mim,
Magrela, depois cresceu bela.
Marcela, que vida novela,
Que grande parcela de dor
Mexida na panela
Com chocolate e marmela.
Marcela, a bela, da minha vida a aquarela
De cores nela.
Marcela, a bela de sombra beringela,
Marcela que foge por viela,
Pela favela,
E volta de braços abertos,
Abrindo pro sol a minha janela.

Anúncios

Sua opinião me interessa ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s