SÚBITO

SÚBITO

Minha sanidade onde a perdi
Em qual momento deixou de existir
Para ser tormento
Quão bom é enlouquecer
As rosas ficam em ballet
Lírios aspergem voam
Há dois sóis há ternura
Nuvens Jô girassóis
Certamente é bom estar nada
Mente sem brilho
Sem vaidade
Um trem fora dos trilhos
E amar até pra sempre
Perturbar e cantar dar adeus voltar
É saber esquecer morrer retornar
Loucura é artística ritos riscos
Em cada chuvisco um sabiá
Vem loucura me apanhar
a dança lembras
O teatro sons acústica
Tua alma lúdica luzes
O pano caindo dormindo
Todos se vão é bom
És companheira perfeita
Rarefeita rodopia cotovia
Azul é a cor da seita
Linda essa dança vida
E cai
Desmaiada de amor
Diz que foi
Ou que vai
Não importa
Depois da porta
É outra peça
Peça e receberás
Satisfaz na letra
A negra borboleta
Devir porvir
Agora chega Loucura
Mesmo eu
Preciso dormir…

 

Nenhum texto alternativo automático disponível.

 

Anúncios

Sua opinião me interessa ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s