As indicações da Anna – Blog de Elite

 

Nossa amiga Anna  http://anny-linhaozzy.blogspot.com/ pediu-me que postasse por aqui suas indicações. Não vi por que não atender um pedido de uma amiga tão carinhosa e talentosa com ela.

Assim, aí estão as indicações da Anna, lembrando das regras para o MEME:

Como todo meme, é exigência um link para o blog que o indicou e outro para o criador do meme, neste caso o blog PutsGrilo!com    

http://www.putsgrilo.com/2007/11/19/meme-de-elite/

Os blogs terão até o dia 31 de dezembro de 2007 para receberem votos.

Todos os votos depois dessa data não serão computados.

Cada voto deve ser informado o mais brevemente possível por meio de comentários nesta página e somente serão computados votos emitidos por blogs com mais de 01 mês de existência.

Além disso, não serão computados votos de uma pessoa para si mesma, claro.

Durante o mês de janeiro todos os votos serão computados e o resultado, divulgado.

 1- Dai -Uma pessoa maravilhosa que escreve em Silêncio, as palavras que o                     coração a razão ditam.

www.dai.lendo.org
               

2-Alessandro   que diz que “Amar é uma escolha”  

http://www.alessandromartins.com/
                

 3-Cristina que diz “As boas lembranças nos fortalecem.”
http://minhasvozes.blogspot.com/

4-Maga que pinta poemas com as palavras

http://metamorfosepensante.wordpress.com/
            

    5-Djabal, que dá poemas e “arvrinhas” de presente”. E um blog lindo!

http://havesometea.net/NonLiquet/

PS – Felizes indicações   )
 

Anúncios

Homofóbicos, uni-vos ou vão morar no Irã!

girafas-q-mexem.gif

 Fobias e fobias

 

 

Duas coisas que resolvi não falar em meu blog são: Política (pra quê?) e Roteiros. O primeiro tema me parece cansativo, para mim, uma ex-ativista vermelha (de vergonha). E o segundo, muito técnico para ser agradável. Acadêmicos são tão chatos…

 

Mas tem a ver com televisão. Jack Cafferty, o cara mais inteligente da televisão, o melhor comentarista da CNN, ele é totalamente avesso a tudo. E odeia politicos, todos, de forma generalizada.

Este jornalista descobriu que a guerra no Iraque – a invasão filha da ‘p’ que deu-se descaradamente – ele descobriu através de um grupo de estudos que esta fantástica ‘guerra’ custa a merreca de 720 milhões de dólares, por dia, ao governo americano. Melhor dizendo, ao contribuinte.

E onde estarão os bushfóbicos? Ninguém faz nada? Por que tememos tanto este Grande Satã? A resposta está contida na pergunta, não é mesmo? Mais fácil temer e trair a um deus que encarar o demo!

Ah, lendários racismos. Lendários porque, se não me engano, foi decretado pelaí que não há mais raças. Apenas povos. Ah, lendárias xenofobias he-he-he.

Não tem jeito: somos uns imbecis crédulos e críveis que morreremos, seremos banidos daqui deste planetinha tão simpático odiando a nós mesmos. Ok, eu explico. Qual a diferença entre um alemão e um iraniano, ou de um negro para um japonês. Diferenças climáticas, regionais, geográficas. Mas, humanas? Qual é! Somos tão estúpidos.

Sou contra, é claro, lúcida que sou, sou anti-invasões americanas, incondicionalmente.

Mas, olha que loucura: Ahmadinejad, aquele grandão lá do Irã, afirmou, numa palestra na Columbia University que em seu país não há homossexuais. Que por lá este ‘fenômeno’ não existe he-he-he. É claro que a galera não se conteve e caiu na gargalhada.

Já na Índia, ‘elas’ são respeitadas como uma espécie de macumbeiras, feiticeiras, seja lá como for. O fato é que quem zombar ‘delas’, meu irmão, tá lascado porque jogam pragas e feitiços. Já pensou acordar pela manhã sem… língua? Nossa! Espertinhas, não?

Falando sério (mais que o censor Roberto Carlos), o que acontece verdadeiramente na sociedade humana é um não se estar satisfeito consigo mesmo. Porque quando um homem ofende, discrimina, invade, mata e estupra a pátria alheia, está cruel e implacavelmente destruindo a unificação universal, as energias girantes dos Universos Cósmicos. Um desgaste que certamente pagaremos um dia. Nada de céu ou inferno. Um aniquilar fenomenal de energias que entram em combustão pela lei do preconceito. Por falar nisso…

… Alguém sabe a quantas anda a matança aos elefantes africanos? E os rinocerontes? Ainda existem pandas? Muita bolsa de crocodilo por aí? Aff!

Bem, o Macaco Tião deixou de ser livre para ser político. Este não conta mais.

Boas Festas!    P

 

 

O futuro da televisão

televisao.jpgEm tempos de novas mídias, hipermídias e todas as novas linguagens tecnológicas à disposição do roteirista de audiovisual, me pergunto onde irão parar  os programas populares, os grotescos e a teledramaturgia.

Mistério. De um lado a TV, hipnose popular de absoluto interesse comercial. Como no séc. XVII, nossa televisão, embora elaborada pela elite, direciona sua maior parcela de entretenimento ao popular. Como aqueles espetáculos em praças públicas com circos e aberrações. Os espetáculos populares.

O povo, que em sua maioria não tinha acesso à tecnologia, começa a comprar seu PC em suaves prestações, incluindo-se num ambiente globalizado de informações.

Quando o computador estiver presente em todos os lares, famílias inteiras navegando na internet, e roteiristas cada vez mais antenados nas novas mídias – vídeos, cinemas digitais, os sites da Web, mundos virtuais, games de computador… E ainda, consoles computadorizados, as instalações interativas por computador, animações com imagens reais e sintéticas por computador, multimídias e  demais interfaces humano-computador, é hora de perguntar: O que será da Televisão?

Nada de otimismos, cara pálida! Ela não vai extingüir-se ou perder para a tecnologia. Antes, ela entra com força total na era das hipermídias, ou seja, roteiristas começam a se mobilizar para equiparar as tendências dessas novas linguagens no audiovisual do televisivo.

Mas, o que será diferente na TV a partir de agora, com essas maravilhosas geringonças tecnológicas?

A TV digital está entrando no ar. No Brasil já é característica cultural o povo ficar paralisado diante da telinha (ou telona). Quem não perde horas diante dela, né não?

Minha previsão é que as maiores emissoras do país como Globo, seguida de SBT, Record e Band, fatalmente introduzirão essas novas mídias para a televisão. Afinal, a internet é essencialmente free mas o merchandising na TV ainda é o que move bilhões no mundo espetaculoso de imagens e propagandas.

Só esperamos que Faustões, Xuxas, Gugus, Ratinhos e Raus repaginem-se, porque mesmo o grotesco terá de ser revisto. Filmes serão produzidos com efeitos tecnológicos, invadindo a TV que sempre será a parceira do cinema.

Mas e o futuro do melodrama? As novelas viciantes? Os mocinhos e heróis?

Ao meu ver, aí, nesta exata curva dramática, o Brasil finalmente entra pela tal porta do primeiro mundo, trazendo um povo (telespectador) mais preparado porque este terá um PC em sua casa e não mais deverá ser ‘iludido’ como sempre o foi.

E neste vácuo provocado pela tecnologia e virtualidade, surgirá a oportunidade de se ver um Brasil entrando definitivamente no mundo globalizado.

Quanto ao que se verá na nova Televisão Brasileira…

Bem, essa parte deixe com a gente. ;)

Coisas que eu não entendo: Que país é esse?

images.jpgSe eu dissesse que às vezes não entendo as culturas de outros países, até tudo bem. Mas depois que enveredei por este universo da blogosfera descobri que das duas uma: ou carioca é mesmo o melhor povo do Brasil ou somos burros e não compreendemos certas coisas.

Tem amigos que falam o português, mas moralmente rola uma dialética de um dialeto que no fim das contas eu saio pro meu choppinho na praia e esqueço que não entendo meus amigos brasileiros de outras regiões.

Dá até vontade de estudar antropologia, sociologoa, sei lá, só pra desvendar este mistério intra-regional que me afasta dos amigos brasileiros.

Ainda bem que Brasília me deu o Renato Russo, ufa!

Quer coisa mais simpática que nosso maravilhoso carioca Alexandre Kovacs? E Alessandro Martins que é do Sul, e que de frio não tem nada, que cara maneiro!

Se é da região Sul, ok, é frio, então as pessoas são mais… distantes? Mas só que esses dias, eu conheci dois gaúchos recém chegados ao Rio de Janeiro. Pai e filho, bronzeados, risonhos e vendendo cachorro quente (delícia) como fossem cariocas há tempos. Neste caso o André Gazola fica fora de questão. Deve ser idiossincrasia ou charme dele, sei lá.

Goiás do Jefferson, que eu só sabia de pequi e Leandro e Leonardo, me fez ficar surpreendida com maus modos, quase falta de educação, coisa que carioca não comete de jeito nenhum. Carioca, mesmo em discussão, acaba amigo e rindo da irrelevância das coisas aborrecidas. Enfim…

O chato é que cada blogueiro representa sua região e imagina eu ficar achando que todo goiano é grosso ou que todo gaúcho é frio? Xi!

E o Piauí que queriam até tirar do mapa, me encanta na figura do Daniel Lopes, intelectual sem charminho ou afetação, que brinca, mesmo lendo 10 livros por mês he-he-he!

Paraná me encanta com Paulo Plozonoff e Maga e mais uns aí. A linda e meiga Patrícia eu não posso esquecer.

Às vezes pegamos pesado mas é algo passageiro e como sempre a amizade continua porque carioca só leva a sério o que de fato for sério, como a nossa política de merda e nossos governos falidos. O analfabetismo e a violência nas ruas. O resto é chopp, meu amigo. Pra você que vem nos visitar, eu ofereço caipirinha com camarão na brasa, hum.

São Paulo eu já conheço, é nota dez, o Maldito representa bem e o Bravus net. Sem falar do Rafael do Leitura diária. E o grande Ulisses.

Acho que ao pisar na blogosfera, melhor não colocar no perfil de onde é, se não puder representar com bom humor e simpatia o seu estado. Bom, é minha opinião. Carioca fala o que pensa. Não escondemos nossos sentimentos, por isso somos protegidos pelo imenso Cristo lá.

Somos amigos e parceiros para sempre. Não papamos a goiaba, a comemos com humildades junto com seus bichinhos, afinal bicho de goiaba é goiaba.

Quando eu terminar este post, estarei rindo, indo pra fila do banco pagar umas coisas, pegar dinheiro e comprar uma porrada de futilidades, como um biquini novo, roupa pro namorado e algumas guloseimas. E cerveja em lata. E vinho e petiscos.

Não se preocupem, portanto com minhas palavras, não se aborreçam, só acho que Goiás e Rio Grande do Sul são maravilhosos. Assim como o Rio de Janeiro.

Por isso eu dei ataque hoje de “carioquice” e desabafei sobre esta caretice de meus amigos Jefferson e André Gazola. Vocês estão precisando de praia e chopp. he-he-he.

Posso garantir que as coisas aqui são beeem diferentes, menos sérias, porém muito mais prazerosas. Não é a toa que fomos eleitos um dos povos mais simpáticos e hospitaleiros do mundo.

Não estou provocando discussões de xenofobia, carioca odeia bairrismos. Só desabafei antes de ir dar o meu mergulho.

Mas não vou me estender com esses papos de região, embora nem tenha mencionado Santa Maria, no RS do meu querido e simpático Paulo Vilmar, porém, é fato que somos diferentes de todos os estados do Brasil. Nós jamais deixamos um colega em apuros, não ficamos sem dialogar, sempre estamos rindo e de bem com a vida. Não somos vagabundos, estudamos, trabalhamos e somos o maior leque cultural do país.

Fazemos música, livros, cinema, escultura nas areias da praia e botamos a boca no trombone com sindicatos no centro da cidade, na Cinelândia. Aqui o bicho pega!

Reinventamos a paz em passeatas e temos ongs e órgãos especializados em organizar a sociedade civil carioca.

A mídia que nos perdoe,  mas o Rio não é bem assim. Eu transito pela cidade de dia ou de noite e assaltos e violência existem em todas as metrópolis.

Mas se há algo que honestamente eu não encontrei na blogosfera, foi uma união perfeita dos representantes dos estados e cidades.

Que país é esse? É a porra do Brasil! he-he-he!

Mas ainda gosto do pequi de Goiás, do Leandro e Leonardo e dos vinhos do Rio Grande do Sul he-he-he.

Um beijo carioca para TODOS e um especial para meu amado mochileiro Diego Dotta. Também do Sul P

A propósito, André: Boas férias. Tente se divertir um pouco.  ;)