O VOO SENSUAL

A sensualidade é a percepção de todos os sentidos em alerta maior, para que a consciência, previamente preparada, deixe-nos alcançar sensações tais como voos de animais sagazes e ávidos por se alimentar de todas as formas. Acasalando-se e recriando-se em doces ciclos naturais, sim, é a natureza nos prevenindo da importância dos sentidos, porém parece que em nós – amargos humanos – os sentidos não nos são preciosos, uma vez que importamos do mundo exterior, amores e desejos pré-ajustados para uma maquiagem sinistramente desprovida de originalidade, e tão comum a ponto de um simples voo de uma ave qualquer nos envergonhar por nossas podadas asas humanas.

Anúncios

Peter Brook pensa Shakespeare, Artaud… mas só em inglês, mesmo no Rio

Estou voltando a escrever para o teatro, minha paixão insana. Por isso este post.

No início era o verbo; teatro era o circo que chegava nas cidades. Lá pelo século dezenove, Shakespeare era encenado em praças públicas, ao ar livre. E, pasmem, o teatro era para o povo, o inglês falado era popular, ao contrário do que pensam alguns empertigados do meio.

Mas o que quero falar mesmo é do dramaturgo inglês Peter Brook.

Peter Brook é, para nós, uma espécie de mestre maior da dramaturgia do século vinte. Recentemente foi agraciado com o Prêmio Ibsen, da Noruega.

Aqui, no Rio de Janeiro, estreou em curtíssima temporada, a nova produção do dramaturgo, “Warum, Warum (Por Quê? Por Quê?)”, um mergulho que Brook faz em textos de Antonin Artaud, Edward Gordon Craig, Charles Dullin, Meyerhold, Zeami Motokiyo e Shakespeare, buscando respostas para a própria dramaturgia.

Não assisti ao espetáculo por dois motivos. Um, que não era exatamente prioridade, dado o leque de opções. Segundo, porque o espetáculo, com a atriz Miriam Goldschimidt, é falado em inglês, sem tradução. Não domino totalmente o idioma, então linkei Shakespeare do século dezenove, encenado para o povão, a esse clímax experimental. Claro que foi espetáculo para poucos assistirem.

Teatro não é acessível no sentido popular, o que já é um erro no Brasil. E termos espetáculos falados em inglês no Rio de Janeiro, soou mal aos meus ouvidos, principalmente pela recente enganação de termos tido um Gilberto Gil na Cultura.

Teatro deveria ser para o povo. Porque teatro é consciência e protesto. Político, informativo, reflexivo, e sem vínculos mundanos.

Sorry, Sir Brook.

SARTRE – A eterna Existência

 

Jean Saudek’s photo

 EXISTENCIALISMO

“Que significará aqui o dizer-se que a existência precede a essência? Significa que o homem primeiramente existe, se descobre, surge no mundo; e que só depois se define. O homem, tal como o concebe o existencialista, se não é definível, é porque primeiramente não é nada. Só depois será alguma coisa e tal como a si próprio se fizer. Assim, não há natureza humana, visto que não há Deus para a conceber…” Jean-Paul Sartre

 O QUE DIRIA SARTRE HOJE, NESTE MOMENTO TECNOLÓGICO? O EXISTENCIALISMO MANTERIA A INDEPENDÊNCIA DO HOMEM, AINDA NEGANDO A DEUS?

AS IGREJAS ESTÃO MASSACRANDO HOMOSSEXUAIS E MULHERES QUANDO INTERFEREM NA ESCOLHA ÍNTIMA COMO NA QUESTÃO DO ABORTO. ONDE SE PRESERVA A ESSÊNCIA DAS MINORIAS ?

    

AS IGREJAS AINDA MANIPULAM EM NOME DE DEUS. EXISTENCIALISMO É ISSO. PERCEBER QUE QUANDO SARTRE FALOU, ESCREVEU E VIVEU NA INDEPENDÊNCIA DE SI PRÓPRIO, ERA PORQUE NÃO ACEITAVA QUE A ESSÊNCIA DO HOMEM PUDESSE SER SUBJUGADA.

  “… Mas se verdadeiramente a existência precede a essência, o homem é responsável por aquilo que é. Assim, o primeiro esforço do existencialismo é o de pôr todo homem no domínio do que ele é e de lhe atribuir a total responsablidade da sua existência. E, quando dizemos que o homem é responsável por si próprio, não queremos dizer que o homem é responsável pela sua restrita individualidade, mas que é responsável por todos os homens.”
Jean-Paul Sartre