Fãs

Ele era cantor de reggae, muito popular, o Jim.
A lista de fãs era interminável. Muitas dormiam à porta do seu prédio, outras mandavam objetos os mais esquisitos, como roupas íntimas, fotomontagens da fã com o músico – nus.
Enfim, a vida do astro não era exatamente um mar de rosas.
Porém, de todas elas, havia uma que o perseguia, já passava dos cinco anos.
Ele já havia feito de tudo para se livrar da moça que, entre lágrimas, prometia se matar, toda vez que o astro a desprezava, ordenando a seus seguranças que a afastassem dele, pelo menos uns dez metros.
Certa feita, ao término de um show, ao entrar em seu carro importado, não percebera, nem ele e tampouco os seguranças, que a menina havia aberto a mala do carro. Arrombado, para ser mais preciso.
Eu sabia de tudo, de todos os seus planos, pois éramos amigos desde criança. Eu me sentia na obrigação de acompanhar Mirian em suas sandices de fã.
Entretanto, neste dia da mala do carro, eu somente a ajudei a arrombá-la porque eu tinha prova de vestibular no dia seguinte e teria que acordar bem cedo.
Mirian sempre fora estranha, quer dizer, meio passional, ainda que lúcida e inteligente.
Na escola era a melhor em todas as matérias. Talvez por isso eu não compreendia essa sua loucura desenfreada por um cantor de reggae, todavia, eu era seu Sancho e a ajudava nas mais variadas loucuras. Até infiltrá-la no camarim do Jim eu ajudei, certa vez, levando uns sopapos dos seguranças que mais pareciam orangotangos de terno.
Bem, no dia seguinte, ao chegar das provas vestibulandas, encontrei minha mãe assustada, com aquele olhar tipo: “Não sabe o que aconteceu!”
Eu me sentei para escutar. Alguma tia morrera, um cão fora atropelado, ou meu pai saíra de casa para, finalmente, assumir a garota da padaria.
Mas qual não foi minha surpresa quando ela balbuciou: “A M…Mirian…”
Ai meu Deus! O que essa garota aprontara desta vez, indaguei com meus botões da jaqueta de couro.
Minha mãe pousou a mão no meu ombro como para consolar-me. “O que aconteceu com a Mirian, mãe? Desembucha logo!”
O carro do músico capotara. Ele morrera na hora, mas Mirian nada sofrera.
“Então, por que o suspense?”
Minha mãe senta-se ao meu lado:
“Ao ver que o tal Jim estava morto, Mirian se jogou na frente de um ônibus. Morreu na hora.”
A única coisa que me veio à cabeça: “Fãs…”